1

Praga: uma mistura de cultura com agitação

Aaaah, Praga! Se me pedissem pra descrever essa cidade em uma palavra, ela teria que ser “incrível!!”, assim mesmo, com várias exclamações. Desde o momento em que lá cheguei até o dia de partir, vivi momentos incríveis e muito felizes. Claro que a companhia ajudou (estava com minhas meio alemãs meio brasileiras favoritas, a Clara e a Alice), mas o clima do centro de Staré Město (Cidade Velha), as ruelas no bairro judeu de Josefov, as ladeiras rumo ao Castelo e a agitação de bares e boates no centro faziam o dia ser maravilhoso do início ao fim.

Nesse post, que é em homenagem à Ritinha e à Aninha que estão indo pra lá agora, vou mostrar o roteiro que fizemos em 3 dias e dar algumas dicas pra quem pretende visitar essa cidade maravilhosa.

Primeiro Dia 

A melhor forma de conhecer Praga é caminhando. O centro histórico é pequeno e é possível visitá-lo em um dia. Começamos pela Cidade Velha e caminhamos às margens do Rio Vltava (lMoldava). Atravessamos a Most Legií (Ponte da Legião) e passamos para Kampa, onde pudemos apreciar os bebês sem rosto de David Černý, uma crítica à repressão comunista, que faria os jovens crescerem sem uma identidade individual.

IMG_7161

Ficamos pouco tempo nessa margem do Vltava: atravessamos de volta pela Ponte Carlos e pudemos apreciá-la de dia.

DSCN5400

A Ponte Carlos, cuja construção foi iniciada em 1357 a pedido do Rei Carlos IV, é a ponte mais antiga da cidade e a segunda mais antiga do país, tem 30 estátuas de ambos os lados que, de noite, ficam fantasmagóricas.

Jantamos no Czech Restaurant Klementinum um prato típico tcheco em frente ao nosso hotel e, de sobremesa, o famoso Trdelník (um rolo com recheio doce)

 

IMG_7224

Trdelník

 

Segundo Dia

Pela manhã, fizemos um passeio de barco pelo Vltava e pudemos admirar a paisagem às margens do Rio. A dica pra quem não quer gastar muito é alugar um pedalinho em uma das barraquinhas à margem do rio por uma hora. Também é possível passear num barco tradicional, geralmente com almoço e música inclusos.

À tarde, caminhamos para o bairro judeu de Josefov e visitamos o Monumento de Franz Kafka e a Sinagoga Espanhola, a mais bonita que já vi até hoje. Mas, além dela, há também a Sinagoga Velha-Nova e o Museu Judaico de Praga. É possível comprar um ingresso que dá direito a visitar todo esse complexo de sinagogas e museu. Visitamos também o Convento de Santa Agnes, com incríveis coleções medievais de esculturas e pinturas retratando a vida de Jesus e Maria, principalmente.

Almoçamos no Restaurante Molkovna Original, que fica bem em frente à Sinagoga Espanhola, e bebemos uma Pilsner Urquell, cerveja tradicional de Praga. De lá caminhamos para a Praça da Cidade Velha para admirarmos o Relógio Astronômico (Oroloj) que, de hora em hora, faz um espetáculo com apóstolos de madeira. Ali também está a igreja de Nossa Senhora de Týn e uma feira gastronômica com várias delícias típicas da República Checa.

DSCN5471

Interior da Sinagoga Espanhola

 

IMG_7336

Relógio Astronômico

 

No final deste dia, fomos ao Maior Clube da Europa Central: o Karlovy lázně, que é parada obrigatória em Praga.  Ele fica bem próximo à Ponte Carlos e tem 5 andares cada um com um estilo musical único.Para entrar, é preciso pagar 180Czk. O primeiro andar é o Ice Pub, um bar todo feito de gelo (podiam fazer isso no Rio, né? Iria ser ótimo no verão!); sua entrada é paga à parte, mas te garante roupas térmicas, luvas e um drink servido diretamente num cubo de gelo.

Antes de irmos para o Karlovy, paramos no Bugsy’s Bar, um bar mais tradicional e muito elegante com drinks exclusivos e atendimento impecável.

IMG_7395

Ice Pub

 

Terceiro Dia

No último dia, nos concentramos na outra margem do Vltava: visitamos a bela Malá Strana (Cidade Pequena) e sua feirinha e depois seguimos em direção ao castelo de Praga. O castelo é localizado no topo de um monte. Antes de chegar até ele, passamos pelos Jardins Reais, de onde se pode tirar fotos lindas da Catedral de São Vito.

DSCN5526

 

DSCN5560

Catedral de São Vito

DSCN5614

No complexo onde fica o Castelo, é possível visitar além do próprio castelo, a Catedral de São Vito, cuja construção começou em 1340 e terminou em 1930, e ouvir o órgão que o próprio Mozart tocou, a Basílica de São Jorge, que foi erguida em 920 d.C e a Golden Lane (Rua de Ouro), uma ruela que representa um antigo vilarejo de artesãos que trabalhavam com ouro.

DSCN5600

Basílica de São Jorge

Encerramos o passeio e a estadia incrível em Praga com um espetáculo de Marionetes próximo ao Klementinum, um antigo colégio jesuíta que, embora não tenhamos visitado, ver por fora já valeu à pena.. Assitimos à Flauta Mágica, de Mozart, em alemão, mas havia também espetáculos em inglês e tcheco (se eu já não entendi muito bem em alemão, imagina em tcheco! HAHAHAHA)

Dicas:

  • Não perca a troca de guarda do Castelo, diariamente ao meio dia.
  • Visite o John Lennon Wall, muro em que os checos deixaram mensagens de liberdade e paz na década de 1980.
  • Dê preferência ao transporte público e, se for andar de táxi, utilize aqueles com inscrição AAA ou 111, que têm preços justos para turistas.
  • Não troque dinheiro em qualquer lugar! Há muitas casas de câmbio com taxas abusivas e cotações não oficiais.
  • Experimente a cerveja Staropramen! E, se sobrar um tempinho, vá a um dos museus da cerveja, com direito a visita guiada e degustação.
  • Recomendo MUITO o  Royal Road Residence. Muito bem localizado, preço ótimo e quartos imensos com ar condicionado, cozinha e banheiro amplo e limpo e café da manhã bem servido. Reservamos pelo Booking e não tivemos nenhum problema, nem mesmo em fazer o check out antes das 7h para pegarmos o trem de volta para a Alemanha cedinho.

Espero que tenham gostado e que incluam Praga em seus roteiros, principalmente ao visitar a Alemanha, que faz fronteira com a República Checa. Vale MUITO à pena! Beijos e até o próximo post :* ❤

Anúncios
0

Diário de Viagem: Paris – Parte 2

{Clique aqui para ver esse post no meu site novo!}

Olá meninas! Tudo bem? O post de hoje é sobre viagem e faz parte da categoria Diário de Viagem. Eu sempre faço (ou tento fazer) um diário com fotos e histórias das viagens que faço porque AMO viajar e ver as fotos e reler o que aconteceu é simplesmente mágico e me deixa muito feliz. Então, vamos lá?

Nesse post, vou terminar de contar minha primeira experiência em Paris ♥. Para ler o post com a primeira parte, clique aqui. 

Antes de continuar, preciso contar para vocês que Paris foi a terceira cidade que visitamos na Europa – viajei com meus pais e encontrei duas amigas e os pais delas na França. Antes disso, passamos por Madrid e Toledo, na Espanha. E foi no aeroporto de Madrid, na saída, que minha mãe e eu recebemos uma notícia muito chata: precisamos jogar fora TODOS os nossos cremes e shampoos, pois só podíamos despachar uma mala por pessoa e eles estavam em uma mala extra. E o pior: Não tivemos tempo de pagar para despachar a mala extra porque o avião já ia decolar!

É por isso que…

Dia 5 – Como falar escova em francês???

Esse dia foi MUITO cheio! Rodamos o bairro inteiro em que estávamos hospedados atrás de um salão de beleza e descobrimos que os franceses também tiram férias na alta temporada, ou seja, padarias, salões e restaurantes – que deveriam estar lucrando absurdamente no meio do ano – estavam fechados. Mas, encontramos um pequeno salão e pedimos para a Carole refazer a minha escova e a da minha mãe (desistimos de encontrar creme para o nosso cabelo lá, muito complicado!). Porém, não sabíamos exatamente como falar escova. Brushing? Muito inglês. Brosse(O objeto “escova” em francês) Não, ela não entendia… Até que eu lhe mostrei uma revista com um antes e depois: a mesma mulher com cabelos encaracolados e lisos e finalmente ela nos entendeu!

Depois de quase uma manhã inteira ficando lindas novamente… Fomos para Montmartre, um bairro boêmio que lembra muito Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Van Gogh, Renoir, Manet e muitas modelos, bailarinas e outros pintores frequentavam os bares de Montmartre e meu pai morou lá por um tempo, então sabíamos exatamente aonde ir.

La Boheme - Viaje no Make

Bar La Bohéme, homônimo de uma ópera de Giacomo Puccini da qual eu participei. 

Montmartre - Viaje no Make

Olha só como é alto o bairro. Lembra demais Santa Teresa! Dá pra ver a cidade inteirinha!

Depois de darmos uma volta pelo bairro, chegamos à Basilique du Sacré-Coeur, que é incrível! (Quantas vezes vou usar essa palavra pra falar de alguma coisa em Paris? Infinitas!)

Sacre Coeur - Viaje no Make

Essa basílica foi construída entre 1875 e 1914 como pagamento da promessa feita por Alexandre Legentil e Rohault de Fleury, que era erguer uma igreja caso a França sobrevivesse às investidas do exército alemão na Guerra Franco-Prussiana. Aliás, a Alemanha ganhou essa guerra, mas a França sobreviveu, então felizmente foi construída essa magnífica basílica!

Descemos de Montmartre de funiculaire – um bondinho mais vertical – e aproveitamos para fazer um passeio ao longo do Rio Sena. Depois disso…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O monumento mais encantador do mundo… A Torre Eiffel! Estava tão cheio nesse dia ensolarado que não pudemos subir desta vez, mas o ambiente em si já é magnífico! 

Dia 6 – Muitos arcos & Monalisa

Arc du Triomphe - Viaje no Make

Arc du Triomphe du Carroussel

Arc du Trioumphe

Arco do Triúnfo

Pyramide

DSCN2100

Ali pertinho… O Louvre. Essa é a Pyramide du Louvre, construída em 1984 a pedido do então presidente François Mitterrand. Tem uma lenda que diz que ela tem 666 painéis de vidro e, além disso, quem não se lembra do Codigo Da Vinci, de Dan Brown, que dizia que havia toda uma conspiração envolvendo a Pyramide? 

Monalisa - Viaje No Make

E a Famosa Monalisa! A qualidade da foto está péssima pois o quadro é minúsculo e fica atrás de um vidro e, na alta temporada, atrás de um mar de japoneses com milhares de câmeras e outros turistas, ou seja, o zoom está no máximo numa câmera completamente amadora. Mas tá valendo!

Eros e PsiquêEssa escultura é uma das minhas favoritas: “Psiquê revivida pelo beijo de Eros” de Antonio Canova. Os traços são muito perfeitos e a proposta é magnificamente romântica.

No útlimo dia, fomos ao Musée du Quai Branly e minha câmera apagou as fotos (não, eu não uso mais essa câmera, comprei uma nova depois dessa viagem hahaha foram muitas frustrações.) mas tá tudo guardado na memória e no coração. 

Espero que vocês tenham gostado do início do meu Diário de Viagem. Em breve, vou trazer dicas para quem vai viajar, lugares para onde eu pretendo ir e, claro, mais Diários de Viagem, que já se tornaram um vício para mim!

Beijos e até o próximo post!

0

Diário de Viagem: Paris – Parte 1

{Clique aqui para ver esse post no meu novo site!}

(Clique aqui para ler a parte 2!}

Olá meninas! Tudo bem? O post de hoje é sobre viagem e faz parte da categoria Diário de Viagem. Eu sempre faço (ou tento fazer) um diário com fotos e histórias das viagens que faço porque AMO viajar e ver as fotos e reler o que aconteceu é simplesmente mágico e me deixa muito feliz. Então, vamos lá?

Nossa primeira parada é Paris! Fiquei muito tempo pensando sobre qual cidade falaria primeiro e cheguei à conclusão de que tinha a de ser Paris. Fiquei simplesmente encantada quando fui lá pela primeira vez e não tive vontade nenhuma de ir embora. Como Paris é incrível e tem milhões de coisas para se fazer e falar sobre, vou dividir esse post, para não ficar muito grande. Vou falar sobre os primeiros 4 dias da minha viagem a Paris em Julho/2011, que foi um presente para o meu aniversário de 15 aninhos…

Dia 1 – Catedral de Notredame

A primeira coisa que fiz em Paris – depois de fazer check-in no hotel e matar a fome hahaha – foi visitar a Catedral de Notre Dame (Nossa Senhora), que é uma das mais antigas da Europa e uma das mais lindas e famosas também! Lembrei muito minha infância por causa do filme do Corcunda de Notre Dame e confesso que senti um medinho de subir as escadas até a torre.

A Catedral foi construída entre 1163-1345 e nada mais nada menos que Napoleão Bonaparte foi coroado imperador da França lá em 1804.

Catedral de Notredame - Viaje no Make

Reparem nos três portais: o de Sant’Ana (direita), o da Virgem (esquerda) e o do Julgamento (centro). Embora fosse verão, o dia estava chuvoso e cinzento 😦 mas nada que tire a beleza da Catedral! 

Dia 2 – Musée D’Orsay

Já no segundo dia, fui ao Musée D’Orsay, que fica na margem esquerda do famoso Rio Sena. Fazem parte do acervo desse museu incrível muitos nomes famosos: Vicent Van Gogh, Claude Monet, Pierre-Auguste Renoir, Auguste Rodin, Paul Gauguin, Edouard Manet e muitos outros! Infelizmente, não pude tirar fotos do interior do museu, mas recomendo a visita juntamente com uma caminhada beeeem gostosa ao longo do Sena.

Musée D'Orsay - Viaje no MakeEssas são minhas amigas meio alemãs e meio brasileiras, Alice e Clara posando no painel do museu. Viajar com amigos não tem preço!

Dia 3 – Disney!

O terceiro dia foi um dos melhores da viagem: Fomos à EuroDisney! Os parques (Disneyland e Walt Disney Studios) ficam a 45 minutos de trem (RER) do centro de Paris. Passamos o dia lá e voltamos a ser crianças enlouquecidas atrás do FastPass, cada uma entrando em uma fila e pedindo pra guardar lugar, ninguém querendo ir ao banheiro ou comer para não perder tempo… Foi mágico!

EuroDisney - Vaije No Make

Castelo do Mickey no Disneyland!

Darth Vader - Viaje no Make

Nós e o Darth Vader, depois de ter contado que era nosso pai! :O

Dia 4 – Galeries Lafayette

No quarto dia, fomos à gigantesca loja de departamentos Galeries Lafayette. Ela impressiona não só pelo tamanho e quantidade inacreditável de marcas de roupas, maquiagens e acessórios, mas também pela arquitetura que, como é comum em Paris, é divina

Galeries Lafayette - Viaje no Make

Vista do 1º andar – Essa parte tem 5 andares, mas o prédio tem 10. A qualidade da foto ficou péssima, pois precisei tirar com o iPod. A câmera não carregou direito naquela noite 😦

Foi aí que eu comprei todas as maquiagens da Black|up Cosmetics e comecei minha pequena coleção de maquiagens. Em frente à Lafayette, tinha uma Sephora, então já viram que eu fiz a festa, né?

É isso por hoje, meninas! E aí, quem quer ir/ já foi à Paris gostaria/ gostou de ir nesses lugares? Acho que não tem como não amar essa cidade linda cheia de comida gostosa, pessoas simpáticas – Sim, os franceses SÃO simpáticos! Falei com vários em inglês e espanhol, porque ainda não domino o francês, e todos me ajudaram como puderam e adoraram o fato de eu ter vindo do Brasil! – e lugares incríveis e com muita referência cultural.

No próximo post… Vai ter Torre Eiffel, Louvre e muito mais!

Beijos e até a próxima! :*